quarta-feira, 11 de julho de 2012

LAMPEJO DO DESEJO


              

É um clarim a vibrar como lampejo.
Um beijo de ternura e desejo.
Violento e terno efêmero e eterno.
Minha alma inteira de repente.
No próprio desejo violento.
Percebo um estranho ardor.
Feito o calor que queima.
O frio do arrepio quando te vejo.
Os olhos brilham e marejam.
O coração palpita de desejo.
Sei que é amor.
Meu amor porque quando te vejo.
Eu sofro choro e me alegro.
Contra o invisível do desejo.
Quero dizer-te.
Que hoje amanhã e sempre.
Amar-te-ei.

Autora: Solange Netto Andrade
07/07/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário