quarta-feira, 22 de abril de 2015

LUA QUE VEJO






Radiante, cores vibrantes da lua cheia
Gigante na noite escura reflete como espelho
Transforma silhueta deslumbrante
Clareia transformando, noite e dia
Contemplo com olhar profundo
Lagrima naturalmente no rosto
Movida por sentimento de paz
Recorro ao silencio observador
E percebo que existe tristeza na noite
Na sombra distante do arbusto
Sentindo o frescor da noite
E no silencio profundo busca o sono
Sonhador deslisa o rosto no travesseiro
Aconchegado ao lençol branco
Extremamente macio e perfumado
Desviando o pensamento para dormir
Respiro para sentir alivio e durmo
Tristonho desperto na madrugada
E o meu olhar depara com o luar radiante
E imediatamente agradeço a lua que vejo

Autora: Solange Netto Andrade
                                  08/04/2015



Nenhum comentário:

Postar um comentário